De 29 para 30 de abril de 2021 passei por um “Autodigging”, um processo de autoconhecimento por meio de meditação em Theta, acessando crenças-problemas, causa-raiz, o transfundo psicológico de uma situação. 

Naquela oportunidade, em certo momento do dia, eu ainda não tinha me permitido liberar os arrependimentos sinceros, queria viver a catarse e liberar a dor destes remorsos por mais tempo. Estava de certa forma apegada a estas memórias e sentimentos. Entrei em uma crise de choro e também não queria liberar traumas-choques. Precisei dessas emoções e sensações. 

Minha dor profunda era: “se eu soubesse o que sei hoje, certamente teria sido uma companheira melhor para o meu falecido esposo”. Eram tantos “e se…” 

Neste processo, veio uma Energia muito sutil, era uma Luz com uma mensagem real verbalizada: 

“Minha querida, quanta luz neste coração e tocou o meu Chakra cardíaco; quanta sabedoria e beijou meu Chakra Ajna. 

Logo acrescentou: “tantos estudos para saber o que é a Espiritualidade, mas só agora sei a verdade! A vida continua e eu sigo existindo.

Eu também teria abraçado mais, teria me expressado mais. O tempo não volta, mas seguimos existindo.”

Foi algo assim que pude perceber ouvindo. Finalmente beijou minhas mãos em uma despedida de até breve e me inundou com uma luz amarelo-dourada. 

Neste instante eu me permiti liberar os “arrependimentos” sinceros, traumas-choques e ressignificar nossa história, compreendendo e concordando com tudo como foi, tudo como é e tudo como será. Respirei profundamente. Normalmente não é assim que se conduz um processo de “Digging”. Existe princípio, meio e fim conclusivo para a situação ou questão investigada. Eu me permiti fazer no meu fluxo, sem pensar em um possível protocolo.

Resultado, umas boas horas de catarse, por escolha própria e uma experiência metafísica surpreendente. 

Com esta história, registro aqui um instante transformador para a minha evolução neste caminho onde pretendo ser uma melhor versão de mim mesma dia após dia. 

Sobre o que o meu falecido esposo disse: “tantos estudos, mas só agora sei a verdade…” Isto foi um recado para mim, eu estudo muito, uso muito a mente para conhecer cada vez mais sobre as possibilidades humanas de contato com a espiritualidade. Entretanto, agora preciso dedicar-me aos três Chakras Básicos porque isto é equilíbrio, é desfrutar da vida na Mãe-Terra também. 

Parece paradoxal, vir para a vida e desejar estar no mundo espiritual para compreendê-lo. Desperdiçar esta oportunidade humana sem desfrutar dos aprendizados, enraizar-se, nutrir-se tem sido uma perda de tempo, talvez. Tudo chega na hora certa.

Não sei quais são os próximos capítulos desta história, sei que algo começa por aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *